Archive

Posts Tagged ‘fim de namoro’

“Acabou, e agora?”

Junho 10, 2011 4 comentários

Humanos são capazes de sair do planeta, mapear o universo, dividir o átomo, produzir vida nova, mas parecem cada vez mais incapazes de manter um relacionamento saudável, maduro e sensato.

Existem montes e montes de manuais e dicas de como conquistar seu amor, de como presenteá-lo em datas especiais (ainda mais em época de Dia dos Namorados), de como ser incrível na cama, de onde passar lua de mel, dicas de vestidos de noiva, bolos e organização de festa…

Floriculturas vivem dos buquês cortejadores, das declarações de amor eterno, das parabenizações de cada mês de aniversário de namoro.

Ninguém explica como se comportar quando o sonho acaba (não, não vou fazer trocadilhos com sonhos de padaria), como superar uma perda, como levantar a cabeça e seguir em frente. Pressupõe-se, de certo, que somos capazes de sumir para um universo paralelo ou lobotomizar nossas cabeças teimosas que adoram se culpar por tudo.

separação

Antes de qualquer coisa, eu não sou dona da verdade, não tenho respostas, nem acho que isso se aplica a todo e qualquer caso existente nesse e em todos os outros universos. São dicas de alguém que já passou por isso e teve que aprender na marra a levantar a cabeça. E embora pareçam dicas simples e batidas, MUITA MUITA MUITA gente por aí parece não conhecer.

Manual “Acabou, e agora?” 

1 – Acabou? Todas as dúvidas sanadas, explicações e satisfações dadas? Então vamos lá: Pegue uma caixa e coloque TUDO que te lembre a relação. Presentes, fotos, roupas… TUDO! Há quem diga para rasgar e jogar fora, eu prefiro colocar numa caixa escondida, muito bem escondida (de preferência por outra pessoa de confiança, longe do seu alcance). Um dia, quando a dor passar, você pode querer uma recordação de um período feliz da sua vida.

(Obs.: se você tiver se relacionado com um serial killer – e sobreviveu, um Dementador ou meu ex, eu deixo – e aconselho – jogar fora mesmo. Faça uma fogueira grande, numa lua cheia e queime tudo como rito de passagem. O que não poder ser queimado jogue como oferenda a Iemanjá *como eu fiz com minha aliança – ela que se vire com aquilo agora*).

O mesmo vale para contatos online (lista do Twitter, Facebook, Orkut, MSN/GTalk e tudo mais). Delete todos os meios de contato, inclusive com familiares e amigos só do outro.

Stalkear nem pensar! NEM PENSAR!!!! (Alô Produção, eu quero um pisca pisca nesta parte)

2 – Nunca, jamais, em tempo algum mande sms, email, DM ou ligue no meio da noite para dizer que ainda sente algo (nem que seja “eu te odeio”). Sorte você ter deletado todos os contatos, como sugerido no tópico anterior, certo?

Essa é uma tarefa que exige eterna vigilância, uma dose extra de força de vontade e MUITO, mas MUITO mesmo, amor próprio. Rastejar e se humilhar por quem não te quer mais é ridículo, patético, inútil, certo?

“Não sei viver sem ele” – como você viveu ate o conhecer? *vontade de dar dois tapas na cara de quem me diz isso* Para de mimimi e honre as calças que você veste!

3 – Fuja de amigos urubus. Sabe aqueles que adoooram quando você está triste, que se alimentam da desgraça alheia e querem sugar todos os detalhes mais sórdidos do seu termino? Pois é. Não te ajuda em nada reviver um momento de dor.

4 – Procure se rodear de gente que te anima, que te conforta e que gosta de você. Amigos de verdade são base para sanidade mental de qualquer um (e não devem ser deixados de lado durante a relação).

5 – Ocupe essa cabeça vazia! Leia, malhe, se jogue nos filmes (mas fuja de comédias românticas –eca!), entre num curso, aprenda novo idioma, faça aquela viagem planejada e sempre deixada de lado, mergulhe no trabalho… Qualquer coisa que te deixe sem tempo de pensar, e fazer, besteira.

6 – Auto estima está mais baixa que anão em jogo de basquete, certo? Corte o cabelo, mude a cor do esmalte, aproveite a falta de apetite e comece aquela dieta, compre uma bicicleta, suba de escada, desça um ponto antes. Parece futilidade, mas mudar o exterior ajuda, mesmo que um pouquinho, a mudar sua auto percepção.

7 – Entenda e aceite: você vai passar pelas 5 fases do luto (Raiva, Negação, Negociação, Culpa ou Depressão, Aceitação), você vai lembrar do outro quando aquela musica tocar, um cheiro vai te levar para uma lembrança de vocês dois. Você não foi lobotomizado. Não é fácil, mas é possível superar. (Post mega auto ajuda, heim!) Chore! Nem todo mundo é o Tony Stark.

8 – Não caia na armadilha “curar um amor com outro”. Ninguém substitui ninguém e o novo alguém não merece ser usado como borracha do seu passado.

9 – Não acredite em livros de auto ajuda. Se você tivesse o necessário para superar sozinho, não teria problema, pra começo de conversa. Procure ajuda (um amigo, um psicólogo, um exorcista…) Queira melhorar!

10 – Espere curar. Curar mesmo, igual machucado. Limpe o corte, desinfete, não cutuque – não tire a casquinha e espere o organismo curar a ferida.

superação

Agora acabou, pode levantar essa bundinha linda daí e viver um pouquinho!

Hmmm vontade de sorvete de chocolate, topa? Mas, se resolver encher a cara ou visitar uma boate de swing, me convida!

delicia geladadelicia super geladadelicia em qualquer temperatura

A autora deste post ouvia, em loop, enquanto escrevia: Turning Tables (Live Acoustic) – Adele