Archive

Arquivo por Autor

Nostalgia S01 E04 (Oh! Cride, fala prá mãe)

Agosto 20, 2011 2 comentários

Há muito tempo atrás numa galáxia nem tão distante. Em um tempo onde o politicamente correto não tomava conta da televisão, existia programas bem legais.

 

Esquadrão relâmpago Changeman! Eu sei que todo mundo prefere o jaspion, mas changeman era tão bacana, cheio de personagens bacanas. Entre eles: Gyodai, Shiima ( a que tinha voz de homem).

 

 

ER. Eu juro que nunca quis ser médica, mas por doze anos eu acompanhei a série. Desisti quando não tinha mais ninguém do elenco original. Lembro de criancinha ter que deixar a tv bem baixa pra minha mãe não perceber que estava acordada pra ver. Chorei junto. Me emocionei.

 

 

Full House Lembro que passava na warner logo depois que eu chegava da escola. E me divertia bastante com essa série. Ah e pra quem não lembra as gemeas começaram bebes fazendo o mesmo personagem na série.

 

 

Mundo de Beackman

 

Beverly Hills 90210

 

 

My so called life

 

 

Armação ilimitada

 

 

MacGyver

 

 

Jaspion

 

 

Yes, nós temos RPG

Agosto 10, 2011 5 comentários

Esse fim de semana fui a um encontro de RPG, e agora você me pergunta o que isso tem demais, já fui na RPGcon duas vezes, então pra que fazer post sobre isso? Porque dessa vez o encontro foi em Brasília e gente, foi super bacana.

Fui no encontro de RPG organizado pelo pessoal do D30 rpg (@D30rpg) com o tema de RPG indie. Até fiquei com pé atrás de ir, e não ser legal ou ser esquisito, ou de sei lá de ser sacaneada por não sacar nada de RPG indie. Mas o pessoal foi bem bacana, sabe aquela esquema? Não muita gente, mas todo mundo animado, povo super simpático, tentando fazer com que os intruso, nesse caso eu, se sentissem bem. Não sei por que, mas me lembrou um pouco cidade de interior, onde todo mundo já se conhecia, mas eles tentaram e conseguiram fazer com quem caísse de pára-quedas não ficassem isolados.

Sobre os jogos vi muitos sistemas que nunca tinha ouvido falar. Mas que pareciam ser bem divertidos. Pena que cheguei um pouco tarde não rolou de jogar coisas muito diferentes. Mas teve uma mesa onde o pessoal jogava com coelhos, Bunnies & Burrows, que pareceu bastante divertido. Além de um jogo que me chamou bastante atenção foi o Best friends, parece besta, mas tem cara de ser o tipo de jogo que tu passa o tempo todo rindo.

Acabei jogando uma partida de game of thrones, jogo de tabuleiro. O que não permitiu que desse pra jogar muito mais coisa, já que o jogo é bastante demorado. Mas sério. O jogo é muito legal. Mas ainda rolou de jogar uma partida, um pouco corrida, só pra variar um pouco, de fiasco.

Sobre o Game of thrones, o jogo é bem bacana, e pra variar joguei uma vez e mudaria uma ou duas regrinhas. É um jogo de estratégia, conquista, consolidação de território e diplomacia. Você joga com as casas que existem no livro, e vence quem conquista maior quantidade de castelos e/ou fortes antes do fim do jogo ou ao final do jogo. Sim, eu sei, a idéia de conquistar territórios lembra war, mas o jogo é bem mais elaborado que isso.

Há peças para batalhas navais uso de catapultas infantarias e cavalaria. Que somam com cartas na hora de decidir uma batalha. Como cada carta peça e cada carta possui um valor distinto, exige que o jogado tenha atenção e uma boa estratégia, sem contar um pouco de sorte, na hora de efetuar o ataque.

Além disso, a quantidade de peças que cada jogador pode ter é determinada pela quantidade de ‘mantimentos’ que cada jogador tem. E ainda existem cartas de eventos aleatórios que ocorrem durante o jogo.

Não é dos jogos mais complicados, dá pra entender bem as regras já na primeira partida, e permite jogar de 3 a 5 jogadores. E é super recomendável jogar com 5 jogadores. É um jogo que vale a pena ter.

Sobre Fiasco, joguei pela primeira vez na rpgcon. É um jogo onde a eventualmente você vai se dar mal, e gente isso é super divertido. É um jogo simples de RPG onde todo mundo interage com todo mundo. E todos se ferram juntos, tá nem sempre. A mecânica do jogo é simples. É só escolher um cenário, rolar alguns d6, escolher as relações entre os jogadores.

Pra quem se interessar no site do retropunk é possível comprar o jogo Fiasco, tanto na versão impressa quanto apenas o pdf. E gente, eu super aceito um de presente de aniversário. E o pessoal do D30 rpg tem um post bem melhor com um meu junto com um áudio do jogo. Recomendo passar por lá.

E pra quem mora no quadradinho e achou interessante a idéia, vai ter outro encontro com temática jogos de horror pelo mês de outubro. Quando souber direitinho data, horário e local passo aqui pra divulgar.

Em tempo: Falando em rpg indie ganhei um livro de Old Dragon em promoção no twitter, sim algumas parecem ser de verdade. Quando terminar de ler eu passo aqui e conto o que achei.

I just can’t get enough

Agosto 9, 2011 2 comentários

Todo mundo tem uma ou outra música, filme, desenho ou vídeo besta do youtube que não consegue enjoar. Não importa se é velho, ou que seja um pouco mal feito, até mesmo levemente tosco. Toda vez que a gente pára pra ver, acabamos dando uma risada, nem que seja aquela bestinha. Até dá pra distrair um pouco do chefe chato que insiste em te culpar por coisas que você não fez.

Bem… a minha listinha é exatamente sobre videos que eu nunca enjôo.

 

Lord of The Rings com South Park. É besta, eu sei. Mas seu sempre morro de rir toda vez que vejo. Acho que tudo combina muito bem.

 

É o mesmo diálogo do south park só que nessa vez com o pessoal de Harry Potter. E também combina muito bem.

Ainda na categoria Harry Potter com dublagem de South Park. Mais um que fica muito bom.

Ás vezes acredito que dá pra colocar as vozes de south park em qualquer coisa.

Saindo um pouco de South Park

 

 

Jeff Dunham. O cara é um ventríloquo, o cara é absolutamente foda. No primeiro vídeo é apenas o peanut, já no segundo é o cara mais dois bonecos e ele manda muito bem. Pra quem interessar tem os dois shows dele inteiros no youtube é só caçar. O video mais famoso dele é Archmed, the dead terrorist.

Presenteando uma nerd.

Agosto 5, 2011 2 comentários

Você tem uma amiga meio nerd que está fazendo aniversário nos próximos dias? E ainda não faz a menor idéia do que ela gostaria de ganhar de presente, e pra piorar não tem lá muita grana. Ou tem bastante dinheiro e quer comprar um super presente pra ela! Aqui tem várias opções de presentes que podem agradar qualquer nerd.

Coisas fofas:

Capacitor de Fluxo. Porque qualquer pessoa que cresceu assistindo de volta para o futuro gostaria de ter um desses. E vai que sua amiga se inspira e resolve fazer uma máquina do tempo e te levar pra visitar o passado ou o futuro.

Bonequinho do little big planet,são fofos e podem servir pra enfeitar qualquer coisa. Despertador do Star Wars feito de lego. Nem precisa de descrição, é fofo e uma maneira linda de começar o dia. Relógios do Star Wars. Outro que nem precisa de descrição. Action Figure do AT-AT. A

All Stars:

  

São lindos e servem pra toda e qualquer ocasião. Essa coleção que traz super heróis é a coisa mais linda do mundo. Pena que é complicado de achar eles no Brasil. Agora que uma pessoa ficaria super fofa usando um tênis do Mario ou do Batman. Mas se não achar garanto que um all star mais comum também serve. Dica o número do meu pé é 34.

Aleatoriedades:

Camisetas, Jogos de tabuleiro, Iphone (vai que você realmente tem dinheiro), jogo de playstation, cigarreiras. Esses pequenos mimos podem deixar uma pessoa realmente feliz. E outra, jogo de tabuleiro, de playstation, camisetas. Você pode dar de presente e depois de um tempo, sei lá, pedir emprestado pra usar ou jogar também.

Livros:

Sempre um ótimo presente e outro que depois de lido pode ser pedido emprestado. E comprando em inglês um livro sai em média R$ 25.00. Nada caro demais. E garanto que esse box com os 4 livros da coleção Sons of Fire and Ice, vai deixar qualquer ser humano louco.

Agora se sua opção de presente é algo menos nerd. Qualquer menina fica bem feliz ao ganhar uma coleção básica de esmaltes. Não precisa ser uma caixa com 50 vidrinhos. Mas montar um pequeno kit de beleza pode deixar qualquer garota bem feliz. E dá pra montar um kit bem simpático gastando no máximo 15 reais.

Onde achar:

Think Geek

Livraria Cultura

Red Bug

Camiseteria

Submarino

No final das contas o presente nem é tão importante assim, mas por favor não esqueçam de mandar mensagem, ligar, dizer que ama. Até porque, aniversário tende a ser uma data complicada.

The Luxe

Agosto 3, 2011 2 comentários

É tipo um Gossip Girl na virada do século XIX para o Século XX. Essa é a descrição que nove entre dez pessoas faz a respeito do livro. E não é de se estranhar, o livro realmente relata a vida de algumas pessoas bem abastas em Nova York no final do século XIX. Mas acredito que as semelhanças entre os dois livros acabem por aí. Demonstrar a vida e intrigas das classes abastadas não nenhuma novidade, Choderlos de Laclos já fez isso no século XVIII com As ligações perigosas e ninguém, graças a Deus, compara a obra dele com  Gossip Girl. Os livros da Anna Godbersen possuem uma personalidade bem própria, os personagens dela um pouco mais de consistência e são fáceis de ser gostar, e uma parte legal é a importância que ela coloca nos personagens que não fazem parte a elite.

Sobre o que é o livro: A história começa com o funeral da jovem Elizabeth Holland, e sobre como a morte prematura e estranha da jovem Chocou a sociedade nova-iorquina. E para aí. Os próximos capítulos mostram os fatos que levaram até a morte de Elizabeth.

 O livro é marcado pela vida e hábitos de luxuoso da sociedade da Belle Epóque. Uma sociedade que acreditava viver no ápice da sociedade humana, deslumbrados por sua cultura, descobertas tecnológicas e melhoras na qualidade de vida. Esse pensamento é bem exemplificado com a personagem Penelope Hayes, que acredita que tudo que existe de interessante para se ver está em Nova York. O livro é focado na vida das Irmãs Elizabeth e Diana Holland. E o que elas acontece com elas depois que o pai dela morre deixando a situação financeira delas bastante complicado.

Por que é legal: O livro é leve, não consome tempo nem muita atenção do leitor, é um dos livros que é perfeito pra deixar dentro da bolsa para ler em fila de banco ou quando se tem que esperar por alguém. O problema é: Fica complicado largar o livro quando se envolve com a história das irmãs Holland. A narrativa da autora é muito legal, tanto no primeiro livro, quanto no segundo, as duas ou três primeiras partes contam o final do livro, e depois, os eventos que levam até aquele determinado momento. O que é muito legal quando é bem feito, e a Godbersen faz isso muito bem, deixando o leitor desesperado pra saber como as tudo aconteceu. No início de cada capítulo há de algo que seria de um pedaço da coluna social da época, e talvez seja aí que tem a maior semelhança entre a série e Gossip Girl, mas para por aí. Além de pedaços de coluna social, a autora também coloca o que seria parte de livros de boas- maneiras, e de comportamentos tanto para as jovens moças da sociedade quanto para seus empregados. O que querendo ou não ajuda o leitor a entender melhor a mentalidade daquela época.

“Para os leitores das páginas sociais de Manhattan, a reputação de Elizabeth Holland, é tão segura quanto o corset preso em torno de seu peito. Na tenra idade de dezoito anos, ela é uma garota de maneiras e elegância impecáveis – Alta e magra, com cachos loiros emoldurando seu rosto em formato de coração.” (tradução livre retirado do site da autora.)

A personagem Lina é um dos mais legais da série, ela é criada da Elizabeth, mas não dá pra falar muito sobre ela sem dar spoiler importantes sobre a série.

O que não é tão legal assim: O livro é previsível, não ocorre nada que não seja esperado, da pra entender cada coisa que vai acontecer sem grandes mudanças de enredo. O vocabulário, na versão americana, é um pouco chato por utilizar muitas partes do vestuário que não são muito comuns, mas rapidinho se acostuma.

 Dos próximos livros já tenho Rumors e deu uma lidinha rápida nos primeiro capítulos. A autora tem um site oficial com bastante informação sobre a série, com concept art dos personagens e informações extras. O primeiro livro é mais focado em Elizabeth tanto que o extra do primeiro livro no site da autora fala exatamente sobre ela.


Categorias:Livros Etiquetas:,

Pônei Maldito

Julho 31, 2011 Deixe um comentário

Todo mundo já deve ter visto essa propaganda da Nissan sobre os pôneis. Ela gruda, e a maldição do pônei existe! Pois nada explica as pessoas ouvirem essa música 30 vezes seguidas e ainda quererem mais.

 

Se você também foi pego pela maldição do pônei, e tá louco para colocar esse treco no seu celular seguem aqui os links pra baixar esse treco e matar as pessoas de raiva toda vez que seu celular tocar. Confesso que fiz isso, e quando meu celular começou a tocar eu tive uma crise de risos.

Música inteira com o te quiero no final

Só o pônei cantando, do final do vídeo.

Não saco nada de propaganda, e tenho que confessar que compraria uma Nissan só para não ter pôneis malditos no meus carro.

The warrior heir

Julho 30, 2011 Deixe um comentário

Um mundo onde os guerreiros são perseguidos por magos e forçados a lutarem em arenas. Nesse mesmo mundo os magos usam uma antiga lenda para afirmar essa posição. E que depois de séculos de lutas os guerreiros estão sumindo.  Agora imagine que esse mundo é o nosso, e a maioria das pessoas nem sabe disso.

Bem essa é basicamente a idéia de The Warrior Heir.  Jack, um menino de 16 anos de Ohio que descobre que na verdade é um guerreiro. E tem que aprender a conviver com isso.

O livro não é dos mais surpreendentes, na verdade em grande parte do tempo o leitor já sabe o que vai acontecer. E essa mistura da nossa realidade. Sim, Jack vai pra escola, usa o computador, internet e tem a grande maioria dos problemas que um adolescente comum, pode deixar uma parte dos leitores um pouco confuso. E até causar um certo repúdio a obra. Mas depois de um primeiro susto, dá pra acompanhar numa boa.

Por trabalhar com o tempo atual a autora não se preocupou muito com descrições. O que no meu ponto de vista foi uma perda bem grande. Eu gosto de descrições.  Jack também não é dos personagens mais inteligentes. E isso sim, foi o que mais me chateou no livro, tenho um sério problema com personagens tapados.

Mas a história é até divertida, e infelizmente apenas isso, é aquele tipo de livro que pode ficar dentro da bolsa e ler na fila do banco ou esperando o dentista.

Categorias:Livros Etiquetas:,