Arquivo

Archive for Junho, 2011

Pin-up

Junho 30, 2011 Deixe um comentário

Pin-ups foram modelos bastante famosas na década de 40 e 50, mas continuam chamando atenção e inspirando rapazes e moças até hoje. Pin-up veio do termo pinned-up on a wall. Uma referência as fotos que podiam ser destacadas das revistas e pregadas na parede.

Um dos fotógrafos mais famosos especializado nesse estilo é o o peruano Alberto Vargas. Algumas das fotos mais emblemáticas quando pensamos em pin-ups foram feitas por esse senhor.

Os calendários feitos por eles são lindos. Escolhi do de 1947 e o de 1952 para dar uma idéia. Esses calendários enfeitaram muitas borracharias e quarto de rapazes quando elas estavam na moda.

As fotos são sensuais sem ser baixas, e o melhor nenhuma delas precisou ser anoréxica pra ser chamada de linda. Isso prova que existe algo de muito errado com a beleza hoje em dia.

Aqui vai uma dica: Qualquer editor de imagens você pode trocar o calendário antigo pelo do ano atual e ter e ter uma coisa linda, que fica super bacana como papel de parede do seu pc.

1947

Janeiro

Fevereiro

Março

Abril

Maio

Junho

Julho

Agosto

Setembro

Outubro

Novembro

Dezembro

1952

Janeiro

Fevereiro

Março

Abril

Maio

Junho

Julho

Agosto

Setembro

Outubro

Novembro

Dezembro

Fato: Essa ogra que vos posta adoraria ser que nem elas.

Anúncios

Guia Ogrístico de Convivência – Stalker S.A.

Junho 29, 2011 2 comentários

Sou Agente Secreto.

Seu nome é Bond, James Bond. Você é um espião buscando informações ultra secretas de uma organização perigosa, você deixaria rastros? ( ) sim. ( ) não.

Se você respondeu não, você continua vivo, atuando e cada vez deixando a organização mais suscetível à erros, que é a liberação de informações confidenciais para que suas ávidas mãos possam roubá-la.

Esta, meus amigos, é a única lição que qualquer um tem que aprender sobre o stalk: discrição.

O que é:

Todos, sem excessão, temos uma característica voyer. Todo mundo gosta de olhar, se mostrar, saber as novidades e, em alguns casos mais extremos, saber todos os detalhes sórdidos.

  • No Michaelis:

stalker, stalk.er, n caçador à espreita.

  • No real:

1) Aquele coleguinha que ficava com o binóculo olhando a gatinha se trocando na casa da frente. 2) O outro coleguinha que perseguia a namorada até o shopping pra ver se ela realmente iria no cinema com as amigas. 3) A coleguinha que ficava no portão de casa fingindo lavar o carro pra ver que horas o namorado ia passar e saber se ele voltou direto do trabalho. 4) O namoradinho que briga com a namoradinha e persegue o ônibus que ela entrou escondida até a casa dela para eles continuarem “conversando” e ver se ela não muda a sua opinião sobre o término do namoro. 5)  E tantos outros que fiquei com preguiça de citar, mas queria adicionar aqui que todas os casos acima citados não vieram da novela ou da minha mente fértil, foi real mesmo.

  • Na internet:

As redes sociais são o exemplo de que todo mundo é mexeriqueiro. Ali você conta o que quer e vê o que deixam.

O que a sua mamãe te explicaria que é feio fazer:

A internet abriu as portas e as janelas dos nossos quartos e cada um tem que saber as informações que disponibiliza, porém existe uma tênue linha entre o que é uma pessoa curiosa, uma pessoa interessada e um stalker maluco que vai te matar.

Achei tendência.

  • O curioso:

Uma pessoa curiosa nunca, jamais, de forma alguma comenta qualquer tipo de informação disponibilizada pelo seu alvo. É tipo descobrir que aquele seu conhecido que você pegou a uns 10 anos atrás casou e colocou as fotos do noivado no facebook e a lista de presentes. Aí você vai lá dar uma olhadinha para destilar um veneninho só de curiosidade assim que descobre que a garota está grávida e que a lista de presentes contém uma jarra de suco em forma de abacaxi.

  • O interessado:

A pessoa é conhecida, você tem um contato amigável e vocês estão se seguindo no twitter, não tem problema nenhum você comentar que ela pode contar com você no problema que ela está tendo na matéria xis já que você deu monitoria desta matéria durante algum tempo. Algumas coisas são legais de comentar e mostrar interesse. Curta no facebook, comente, aproveite.

  • O assassino:

Aí você descobriu que aquela gorda escrota que estudou com você na quinta série está gorda ainda, mas está gatinha e tem peitos e é divertida. Você quer investir, quer se mostrar interessado, quer que ela saiba que você existe e que não é mais babaca e nem vai dar nenhum apelidinho pra ela. Assim você cria uma ótima tática de comentar, curtir e elogiar tudo que ela escreve. Absolutamente tudo:  T.U.D.O. Ora, meu amigo, você acaba de cavar sua cova, comprar seu caixão e se enterrar vivo sem celular.

Sabe que comentário eu acho um must? “HAHAHAAHAHA” Não tem nada mais babaca do que uma pessoa que comenta “HAHAHA” em tudo. Não adiciona, não comenta, apenas um espectador, um baba ovo profissional e não existe nenhum mérito nisso. Nenhum estalkeado vai virar e dizer “poxa, que legal, esse cara me curte!”, ele vai pensar “porra, mas pq esse cara não arruma uma vida e me deixa com a minha?”.

Claro que o estalkeado não vai falar isso na cara do stalker. Talvez nem porque ele é legal, pode ser que ele tem medo de você.

Perigos e Contra Indicações:

Pois é, meus amigos, nem tudo são rosas no stalk. Incomodar as outras pessoas é o de menos, o problema é quando o stalk faz mal pra você. Como?

AI MEU DEUS A ENERGIA CAIU - vou ver o facebook do celular.

  • Você pode se viciar.

Nada pior do que o vício do stalk. Você passa 24 horas no dia  pensando o que a pessoa pode estar fazendo, você se preocupa de perder algo (mesmo sabendo que poderá ver depois). Aí você acorda as 3h33 da manhã sem se lembrar que esta é a “hora do demonho” e sem nem pensar na possibilidade de você pode ser a estrela do novo sucesso de hollywood (baseado em fatos reais) “O Exorcista Contemporâneo”. Você só vai lembrar do maldito puto que você está estalkeando e que neste momento ele pode estar fazendo algo interessante na internet.

(só explicando aqui que isso nunca aconteceu comigo, foi com uma amiga de uma amiga, tá?)

  • As pessoas podem te achar esquisito.

Bom, aqui é tudo uma questão de como você quer ser visto. Como um chato de galocha, um maluco ou uma pessoa normal. Se a sua cara for que nem a minha, que está com essa eterna expressão a la Jack Nicholson no Iluminado, não teria como alguém te achar normal, então delicie-se com a experiência de assustar seu alvo.

  • Você pode sofrer.

Nada à declarar

Porque não dar uma olhadinha no perfil do facebook daquele seu ex? Já passou tanto tempo  mesmo! Aí  você descobre que “Fulano posta no mural de Cicrana – Minha linda, faz 5 minutos que você foi embora e estou morrendo de saudade de você, amor da minha vida, minha melhor namorada” faz seu coração sangrar. Você olhou porque é burro, depois não me diga que eu não avisei.

(só explicando aqui que isso nunca aconteceu comigo, foi com uma amiga de uma amiga, tá?)

Conclusão:

Stalk é delícia, é sexo com amor, é pimenta na feijoada, mas, é principalmente o azeite de dendê no seu vatapá: A dica é usar com moderação, porque pode te causar uma bela de uma dor de barriga.

Utopia

Junho 28, 2011 5 comentários

Eu sempre sonhei em viver num mundo justo. Num mundo em que as minhas escolhas pessoais não teriam interferência de quem quer que fosse. Eu defendo plenamente o direito das pessoas serem demitidas por terem olhos verdes. Ora, eu possuo olhos castanhos, acho inadmissível que a constituição me proíba de demitir, ou de me privar no direito de não conviver com pessoas de olhos claros.

E o que é ainda pior, sou chamado de preconceituoso, intolerante. Eu juro que não é preconceito, só acho que olhos verdes agridem meu estilo de vida, podem ser péssima influência às pessoas que me cercam. Nem eu seria tão tolo ao exigir de eles mudassem a cor de seus olhos, só me reservo no direito de que eles convivam com seus olhos verdes longe o bastante de mim.

Sim. É um dia bem triste o que dia que nós, pessoas tão sensatas e liberais, somos restringidos por culpa de uma parcela da população. Aí eu me pergunto onde esse horror vai parar? Alguns devem saber que o gene das pessoas de olhos verdes é recessivo e que, assim como ruivas e loiras, é uma espécie em extinção. Haverá então, uma lei obrigando que pessoas de olhos escuros como o meu procriem com pessoas de olhos claros apenas para a preservação destes? Porque se existe uma lei que me proíbe de escolher não conviver com pessoas como essas logo haverá uma lei que me obrigue não só a conviver como a casar com elas.

Se você, irmão de olhos escuros, assim como eu se sente ultrajado por tamanha afronta a nossa liberdade, espalhe esse post. Lute também pelo direito de não deixar seus filhos sob a perniciosa influência que pessoas de olhos verdes possam ser para aqueles que você tanto ama.

Viva la Libertad!

Agora falando sério: se você achou o texto acima um absurdo sem pé nem cabeça, substitua olhos verdes e olhos escuros por gay e hétero, respectivamente. Continua achando assim tão sem sentido? Mas o que mudou foi apenas uma característica de uma pessoa, não o conteúdo. E há algumas pessoas que usam esse tipo de discurso como se ele fosse o ápice da retórica humana. Eu ate poderia sentir pena quando leio ou escuto algo desse tipo mas, infelizmente, eu não consigo para de rir. É tanto absurdo que eu realmente me pergunto se as pessoas escutam em retrospectiva o que dizem.

Don’t get me wrong. Eu defendo o direito de evangélicos acharem que gays agridem seu estilo de vida e até mesmo ensinar pros seus filhos e em suas igrejas que meu estilo de vida é pecado e eu vou queimar o inferno. Acho bastante justo. Da mesma forma que a religião não pode interferir no Estado, o Estado não pode interferir na religião. Entretanto, a maior parte da retórica contra direitos a parcela gay da população de baseia unicamente nisso.

Talvez, com alguma sorte, eles aprendam que existe uma diferença entre ter o direito de ser quem você é sem a interferência de outro e ter o direito de interferir na vida alheia por ela ser quem é.

Em outras palavras, eu não quero proibir alguém de dizer ou achar que ser gay é pecado, o que eu quero é proibir alguém de me demitir ou me espancar por causa do sexo da pessoa que eu levo pra cama. O que eu quero não é o direito de entrar na Assembléia do Reino de Deus com meu noivo pro pastor celebrar o meu casamento. O que eu quero é o direito de ser tratado como um cidadão pleno. O que eu quero é que no caso de eu adotar uma criança ou se ser um milionário, o meu marido possa ser reconhecido como herdeiro e pai do meu filho, assim como eu.

Um pouco antes de escrever esse post eu vi um discurso da Myriam Rios que foi veemente contra um projeto de lei visando especificamente a parcela da população gay do RJ. Os argumentos dela variavam de “opção sexual pedófilo”, “a pessoa não poderá ser demitida se cometer algum ato de pedofilia contra meus filhos”, “eu quero o direito de demitir alguém que trabalha na minha EMPRESA porque na minha CASA a orientação sexual é outra”.

Não vou me dar ao trabalho de contra argumentar dizendo que nem todo pedófilo é gay e que pedofilia é crime, independente da orientação sexual porque meu  cérebro em COMA consegue ser mais inteligente do que ela.

Tem uma parte do discurso que eu achei genuinamente brilhante: “Como deputada estadual eu represento a população”. Não poderia ter dito melhor. Um País burro, feito de pessoas ignorantes não poderia ter representante melhor. Parabéns ao Brasil por ter como políticos representantes fidedignos de sua população.

P.S.: Obviamente nem todos os deputados são assim tão ignorantes assim como nem toda a população é burra. mas é inevitável a realidade que nossas câmaras estão mais para um circo de horrores do que pra uma casa séria. Tiririca que o diga.

O Principe Encantado

Junho 27, 2011 Deixe um comentário

Por anos a diversão da minha família foi contar a história que, mesmo com todo o pré-natal, eu escondi a minha coleguinha durante os 9 meses de gestação e, desconfiavam, mas ninguém tinha certeza se eu era uma menina. Então, no dia do meu nascimento, eu, o único bebê vestindo cor-de-rosa maternidade aquele dia, fiquei com as pernas pro alto, abertas.

“Escondeu tanto, agora vai dar trabalho essa menina!”

Pode ser coincidência, mas penso que talvez tenha sido uma brincadeira do destino para que eu percebesse, já no dia do meu nascimento, como homens e mulheres tem tratamentos diferentes, começando pelas cores dos macacões dentro dos berços. Em um mundo assim não vejo como uma mulher pode não cair em algumas armadilhas em sua incansável busca pelo amor.

Encantado, seu lindo sucesso!

Somos bombardeadas por contos de fada e príncipes encantados, lindos, magros, malhados, charmosos, apaixonados, românticos e ricos desde pequenas. A mamãe nos apresenta ao mundo mágico da Barbie e percebemos o quanto ela fica linda (e parecendo a boneca) quando usa maquiagem e salto alto. Aprendemos a cuidar dos nossos cabelos, fazer nossas unhas e como usar perfume. Descobrimos que ser adorável com o papai nos faz ganhar presentes e um chocolate antes do jantar (sem a mamãe saber).

Crescemos, ficamos lindas, magras e inteligentes então chega a hora da verdade e nos avisam que os homens não são os príncipes dos livros. Aí você pára, respira e pensa que só pode ser sacanagem que te falaram que você tinha que fazer depilação mas o seu marido vai ser aquele gordo com cara de safado e cu de urso.

Ora, vamos ser sinceras. Que atire a primeira pedra a mulher que nunca desejou o príncipe encantado dos filmes. Já fomos até avisadas que ele vai vir com uma madrasta horrível que vai pegar no seu pé e tentar fazer a sua vida um inferno, mas você vai dar um jeito naquela megera porque o amor é maior que tudo e vocês vão ficar bem.

Ah, mas a sacana da tríade do amor diz que você tem que escolher entre boa aparência, inteligência e estabilidade emocional.

Assim chega o fatídico dia onde você já teve um homem 1) gracinha e comprometido mas burro feito uma porta, 2) gracinha e inteligente com medo de se comprometer, e nenhum deles te chama a atenção, com nenhum deles você tem vontade de sair à noite para dividir aquela cerveja gelada e nenhum deles consegue arrancar um sorriso sequer dos seus lábios tão bem hidratados devido às esfoliações milagrosas com mel e açúcar que sua avó ensinou.

Você acaba de perceber que vai morrer sozinha no seu apartamento e vão te encontrar semanas depois em decomposição avançada e já está decidindo 1) com quem vão ficar os seus gatos, 2) se você deve ou não ter um rotweiller para comer seu rosto.

Aí de repente você encontra aquele o tipo que jamais chamaria a sua atenção, mas algo galanteador naquela voz mansa e no olhar firme fazem você se derreter como uma manteiga. E o carinho como ele te toca, as gargalhadas que ele te faz dar e, amiga, você encontrou um urso.

Aquela barriguinha de macarrão se torna adorável, o corpo gordinho é uma grande e deliciosa almofada, o nariz é do tamanho exato, se for pequeno e delicado é lindo, se for grande é porque ele tem mais lugares pra você beijar, aquela barba faz parte do seu parquinho de diversões e os pêlos no peito antes tão odiados são apoios que você nunca mais vai querer viver sem.

Amor verdadeiro, amor eterno.

Se um homem é um brigadeiro, um urso de verdade é um macaron, você até pode olhar os doces da prateleira e ter vontade de comê-los, mas ele é diferente, não tem em qualquer esquina, é durinho por fora, um doce por dentro e, no final das contas, é ele quem você vai escolher.

Bem vinda, amiga, e aproveite! Aquele tal cu de urso de primeira considerado nojento citado lá em cima no post não só é altamente recomendado, ele possivelmente será uma das coisas mais bacanas que você já teve na vida.

Entendendo as tendências

Junho 27, 2011 1 comentário

RPG é um jogo de interpretação e isso todo mundo sabe. E pra interpretar seu personagem criado além de pensar nele fisicamente  é necessário decidir como seu personagem vai reagir em determinadas situações, se ele é do tipo que ajuda, ou que maltrata. E essa ‘tendência’ você deve seguir  durante sua aventura.

Lembra que na ficha tem um espaço pra colocar a tendência é disso que estamos falando hoje.

Clérigos: A tendência varia de acordo com o Deus que ele segue.

Bom sempre bom 100% bom? Não necessariamente, Gandhi e Madre Teresa são para poucos. Óbvio que um personagem bom pode ter um ataque de raiva, e fazer um ato de maldade por conta de uma situação específica. Isso só não pode ser uma constante.

Lembrando também que algumas classes pedem uma tendência pré-estabelecida que deve ser seguida.

O problema no D&D que não é apenas decidir se é bom ou mau, tem mais nuances que isso, aqui vai uma breve explicação das tendências do D&D.

 

Leal:Os personagens leais seguem as ordens, não necessariamente segue a

Leais: Não importa se são bons ou maus.

ordem de um Estado ou de um rei. Ele pode ser leal aos desígnios do seu Deus, leal ao seu líder, seja ele bom ou mau, a um sonho. Em suma seu personagem vai acreditar e respeitar alguma coisa. Dentro dos personagens leais você pode ser:

Leal Bom: Personagens Leais e bons seguem as regras, combatem o mau, salvam princesas, matam vilões. Eles são uns fofos. Do tipo que vão salvar gatinhos em cima da árvore, e normalmente não irão quebrar nenhuma regra imposta pela sociedade por isso.

Leal-Neutro: Leais neutros também seguem as regras, mas não tem a ânsia de sair correndo e salvar a primeira donzela em apuros que existem. Eles respeitam as regras,  tradições, ensinamento de um mestre, o que quer que seja ele leal ele irá respeitar, e tentam observar melhor as coisas antes de julgar.     

 

Leal Mau: Ele gosta das tradições e segue as regras, mas irá usá-las para sacanear a vida dos outros. Ele pode até seguir um código de conduta como não matar crianças ou roubar de pobres, mas isso não significa que ele não hesite em roubar e matar. É o típico ladrão ou vilão com um código.

Neutro: Tendência preferida dos jogadores indecisos. Personagens neutros fazem o que eles querem, porque eles querem. Esse tipo de personagem segue regras até que elas comecem a atrapalhar, e não vê problema nenhum em quebrá-las para conseguir fazer o que precisam.

Neutro-bom: Ele vai fazer o bem, você gosta de fazer o bem. Mas não vai correr pra primeira masmorra só porque tem alguém precisando. E outra, se seus amiguinhos inocentes estão em apuros, você não vai ligar em quebrar uma regra ou outra para ajudá-los.

Neutro-mau: O personagem Neutro Mau, não liga pras regras contanto que elas não sirvam para te prejudicar. Acredita na maldade quase como uma filosofia de vida. E não tem problema nenhum e roubar, matar, chantagear se isso servir para conseguir o objetivo. Não que o personagem passe o dia planejando como fazer uma criança chorar, ou sacanear alguém, mas não vai ter problema algum em fazer caso isso for necessário.

 

Fofas mas Caóticas.

Caóticos: Personagens caóticos prezam a liberdade. E várias vezes chegam a ser imprudentes por conta disso.  As leis ou convenções sociais raramente funcionam com eles, e eles vão desrespeitá-las sem problemas para conseguir seus objetivos.

Caótico-Neutro: Existem dois tipos de problemas os meus e os que não interessam. Essa é a filosofia do Caótico-Neutro. Ele vai fazer o bem, se isso for do interesse dele, ele não vai se importar se alguém roubar algo, contanto que não seja dele. Mas ele pode cobrar algo, pra ficar calado.

Caóticos-bom: Esse personagem acredita na bondade e tem fazer isso como filosofia de vida, sem se preocupar com que os outros esperam de você para fazer o bem. E se as leis estão atrapalhando você ajudar alguém você irá quebrá-las.  Ele não tem problemas em roubar dos ricos e dar pros pobres, mesmo que a lei diga que é feio roubar.

Caótico-mau: Esses matam, roubam enganam e fazem tudo sem problemas. Na verdade eles fazem qualquer coisa para realizar suas maldades, e muitas vezes ignoram detalhes práticos por convicção de que isso irá dar certo no final.  Ele não se importa com leis ou padrões sociais contanto que aja a maldade.

Nostalgia S01 E02

Junho 25, 2011 1 comentário

Eu sempre fui fã de video-games, Mega, super-nintendo, PS1,2e 3. Todos eles passaram pelas minhas mãos em algum momento da minha vida. Não lembro quando eu vi um pela primeira vez, mas posso avir que vi algum tipo de magia naquela caixa.

Pena que durante muito tempo meu pai achou que video-game era coisa de menino e não me deixava ter um, o que fazia com que eu passasse um tempo considerável na casa de uma vizinha jogando master, ou jogando atari na casa do meu primo, (ele não me deixava jogar o mega dele sem forte supervisão).

É de Atari e todo mundo jogou.

Não que eu fosse game freak de passar horas e horas na frente do video-game, isso só começou a acontecer com FFX (esse sim foi um fim de semana todo dormindo e acordando direto no jogo). Mas achava divertido sentar com os amigos e cada um jogar um pouco, ou tentar descobrir como faz pra fazer algum movimento no ‘surf’ em jogos de verão. O que até hoje eu não aprendi, quem souber me conta.

Desde que saíram os emuladores qualquer pode matar a saudades dos jogos favoritos, mas confesso que jogar no PC não é tão legal quanto no video-game,

Ele já tem 20 anos

por isso eu surtei quando a Sony passou a disponibilizar Sonic, e Streets of Rage pra download na Store. E na década de 90 eu poderia tirar muita onda porque zerei os dois esse fim de semana e Sim virei supersonic, pode conferir o troféu na minha psn.

Sim eu sou o tipo de pessoa que com jogo novo de ps3 prefere jogar jogos velhos de 16bits, podem me queimar na fogueira.

Sei lá, tem algo não só nostálgico, mas também bem mais fácil nos jogos em 2d, do tipo você ‘zerava numa sentada’ sem precisar de detonado. Onde o golpe mais complicado de fazer era meia lua pra frente B.’ Não, nenhum jogo da década de 90 é superior aos novos, alguns são só mais legais.

Se fosse pra fazer uma lista dos jogos que  mais joguei ficaria algo assim:

Jogo do Mickey e era muito bacana

 
Sonic (1 e 2)
MoonWalker (sim o jogo do Michael Jackson)  
Quack Shot (Sol, lua, estrela)  
Streets of Rage (1 e 2)
Castle of Ilusion
Final Fantasy (do VII ao XIII tamo aí, com amor especial ao X)
 

Curiosidade:

O jogo MoonWalker me fez ser fã do Michael Jackson, de tanto que eu joguei aprendi as músicas. Não a cantar certo, mas as músicas passaram a ser parte da minha vida aos oito anos de idade.

Músicas muito boas, pena que você não aprende a cantar certo

Aprendi a jogar pedra papel e tesoura com Alex Kid.

O primeiro jogo que zerei foi Altered beast que por anos eu chamei de alterédi bésti.

Jogos de verão fica muito mais difícil depois dos 20 anos.

Eu nunca entendi o que era o herói de Decap Attack.

Zerei mortal Kombat 1 Jogando com a Sonia, e sempre tomava fatality do kano.

A fase especial do Sonic 1 me deixa tonta, e por isso nunca pego esmeralda em sonic1. Ainda em sonic, eu prendo a respiração em toda fase que ele tem que ficar embaixo d’água.

Michael Jackson

Junho 25, 2011 Deixe um comentário

Dois anos da volta ao seu planeta de origem morte do Michael.

Não acho que alguém ainda precise dizer algo sobre, ou que exista algo não dito.

Um artista deveria ser lembrado pelo seu trabalho, e sinceramente é como eu lembro da maioria deles.

Então… Thriller! Meu clip/música/coreografia do coração.

O Ig fez uma bela seleção de fotos dele, desde a época do Jackson 5. *olha o comercial gratuito*
Super vale a pena dar uma olhada aqui!